Finn
  • 1Qual a principal diferença entre o açúcar e o adoçante?
  • O açúcar é uma molécula natural (tipo de carboidrato rapidamente absorvido pelo organismo) que possui calorias. Já o adoçante tem o objetivo de adoçar os alimentos e não é metabolizado pelo organismo. Dessa forma, não altera os níveis de glicemia no sangue, sendo aprovado para o consumo de diabéticos.
  • 2Quais as principais vantagens que o consumidor encontra ao substituir o açúcar pelo adoçante?
  • A grande vantagem que o consumidor encontra ao substituir açúcar por adoçante é a menor ingestão de calorias sem perder o sabor doce. Em se tratando de pessoas diabéticas, a vantagem é ainda maior. É possível manter o sabor doce sem alterar as taxas de glicemia.
  • 3Quais as principais diferenças entre as substâncias adoçantes (sacarina, aspartame, sucralose e stévia)?
  • A sacarina é a substância pioneira nessa categoria. Seu sabor evoluiu muito ao longo dos anos. Possui um excelente custo-benefício e, por isso, é o carro-chefe desse mercado. Já o aspartame é a substância mais utilizada em produtos diet e light industrializados, como refrigerantes e iogurtes. A Sucralose, derivada da cana de açúcar, é a substância que mais cresce nesse mercado . Tem o sabor mais próximo ao do açúcar. Já a stévia é a substância mais nova da categoria. É natural e derivada de uma planta.
    Importante ressaltar que não existe substância melhor ou pior, o importante é escolher a formulação adoçante que melhor se adéqua ao seu paladar.
  • 4Existe uma tolerância máxima diária suportada pelo organismo humano para o uso das substâncias adoçantes? O que pode acontecer caso ela seja ultrapassada?
  • Sim. O consumo de adoçantes deve respeitar uma quantidade máxima de ingestão diária, expressa pelo valor da IDA (Ingestão Diária Aceitável). Vale ressaltar que a IDA dos adoçantes dietéticos é muito acima do que o consumo habitual das pessoas.
    Para encontrar os valores máximos de consumo diário de uma determinada substância é preciso multiplicar o valor da IDA daquela substância pelo peso corporal.

    Por exemplo:
    A IDA do aspartame é de 40 mg/ Kg/ dia

    Uma pessoa de 60 Kg pode ingerir até 2.400 mg de aspartame por dia, pois:
    IDA (40) X PESO (60) = 2400mg/ dia

    De acordo com o exemplo acima, 2400mg de aspartame correspondem a 60 sachês de aspartame Finn ou 460 gotas de Finn Aspartame ou 4,5 litros de refrigerante (considerando que este seja adoçado somente com aspartame). Os valores máximos de ingestão diária de cada substância adoçante encontram-se na tabela abaixo:
    Edulcorante IDA (mg/kg peso/dia)
    Aspartame 40
    Ciclamato 11
    Sacarina 5
    Estévia 4
    Sucralose 15
    Fonte: Cartilha adoçantes ABIAD & Anvisa, 2011 (4)
  • 5A substância Stévia é inofensiva à saúde?
  • Sim, assim como toda substância adoçante com valor de IDA (Ingestão Diária Aceitável) estabelecido, desde que respeitados os limites diários de ingestão.
  • 6Qual a diferença do Stévia “blend” e 100%? Os benefícios são muito diferentes?
  • A diferença é a composição. Stévia “blend” é composto por uma mistura de stévia e outras substâncias adoçantes, como sacarina sódica e ciclamato de sódio. Já a versão stévia 100% é uma composição 100% natural.
  • 7A sucralose tem outros benefícios além da redução de calorias?
  • Sim. Por não ser reconhecida como um nutriente pelo nosso corpo, a sucralose não contribui com calorias na dieta e também não causa aumento da glicemia (açúcar) no sangue. Além disso, ela não causa cáries como o açúcar de mesa.
  • 8Por que existem misturas de substâncias como a sacarina sódica e o ciclamato de sódio?
  • Algumas combinações de substâncias resultam em um melhor perfil de sabor doce, este é o caso da sacarina sódica e o ciclamato de sódio.
  • 9Todas as substâncias FINN podem ser consumidas por diabéticos?
  • Sim. Ao contrário do açúcar, as substâncias FINN não aumentam os níveis de glicose (açúcar) no sangue e, portanto, podem ser consumidas também por diabéticos. Além disso, as substâncias FINN (sacarina sódica, aspartame, 100% sucralose e 100% stévia) possuem o selo da Associação Nacional de Assistência ao Diabético, a ANAD. Todos os diabéticos podem ficar tranquilos ao consumir os alimentos que tenham o selo ANAD, pois antes de receber essa certificação uma equipe de profissionais (médicos e nutricionistas) avalia criteriosamente o produto, garantindo que o alimento que recebe o selo não seja contra indicado para estas pessoas.
  • 10O poder adoçante é o mesmo para todas as substâncias?
  • Cada substância tem um poder de “dulçor” diferente, ou seja, cada substância tem uma capacidade de adoçar. O dulçor é medido sempre em comparação ao açúcar:
    SACARINA adoça 400 vezes mais que o açúcar.
    ASPARTAME adoça 200 vezes mais que o açúcar.
    SUCRALOSE adoça 600 vezes mais que o açúcar.
    STÉVIA adoça 300 vezes mais que o açúcar.
    Mas não precisa se preocupar com cálculos. A linha FINN, pensando em facilitar a vida de seus consumidores, considera o dulçor de cada substância na formulação de seus produtos para que no final a dose recomendada de uso em todos eles seja de 1 sachê ou 3 a 5 gotinhas, equivalendo ao sabor doce de 2 colheres de chá de açúcar.
  • 11A substância aspartame é segura para consumo?
  • Sim. Foram realizados diversos estudos e constatou-se sobre a segurança do seu uso para o consumo humano. Entidades ao redor do mundo, desde a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Food and Agriculture Organizatione (FAO) pelo JECFA (Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives), passando pelo órgão regulatório americano, a FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos e a ANVISA no Brasil3,4,5, confirmam sua segurança, desde que dentro da Ingestão diária recomendada (IDA).
  • 12Quais são os Órgãos que garantem a segurança dos adoçantes?
  • A autoridade máxima em saúde no mundo, que é Organização Mundial da Saúde (OMS) juntamente com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) criou um Comitê de Especialistas em Aditivos Alimentares, que é responsável por confirmar a segurança de adoçantes mundialmente. No Brasil o órgão que garante a qualidade dessas substâncias é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), seguindo as recomendações do comitê da OMS. Assim, todas as substâncias que FINN possui na linha têm a sua segurança comprovada pelo Comitê de Especialistas da OMS e ANVISA.
  • 13Como são feitos os adoçantes?
  • Os adoçantes dietéticos são constituídos por edulcorantes e agentes de corpo. Edulcorantes são as substâncias químicas responsáveis pelo sabor adocicado e normalmente possuem um poder adoçante muito superior à sacarose, sendo necessária, portanto, uma quantidade menor para obter a mesma doçura, com a vantagem de ter menos ou nenhuma caloria. Os agentes de corpo são compostos utilizados com a finalidade de diluir os edulcorantes dando volume ao produto. Como os edulcorantes adoçam até 600 vezes mais do que o açúcar, se fossem comercializados na forma pura, teriam que ser usados em quantidades muito pequenas para obter a mesma doçura do açúcar. Então, a diluição em um agente de corpo facilita o seu uso. Para a versão líquida é utilizado a água e para a versão em pó a lactose.
  • 14Todas as substâncias podem ser utilizadas na culinária?
  • As substâncias sacarina, ciclamato, acessulfame-K, sucralose e stévia podem ser usadas para fins culinários. Já o aspartame, por conta da sua própria estrutura química, é sensível ao calor e, portanto, deve ser adicionado em misturas quentes fora do aquecimento, para que o seu poder de dulçor não seja comprometido. Por perder essa capacidade de dulçor quando aquecido a altas temperaturas, o aspartame é a única substância não indicada para fins culinários.
  • 15Existe um adoçante melhor do que o outro?
  • Não. Todas as substâncias adoçantes são seguras para consumo, dentro de sua ingestão diária aceitável (IDA) e passam por avaliação toxicológica criteriosa antes de serem liberadas para consumo, independentemente de sua natureza (natural ou artificial).
    Assim, a escolha entre um adoçante ou outro deve ser feita de acordo com a substância que melhor agradar ao paladar de cada indivíduo.
  • 16Todas as substâncias são metabolizadas pelo organismo?
  • As substâncias sacarina, acessulfame-K e sucralose não são metabolizadas pelo nosso organismo, ou seja, não sofrem transformação química, sendo eliminadas intactas na urina ou pelas fezes. O aspartame é totalmente metabolizado: ele é quebrado em partículas menores no intestino originando os aminoácidos que são encontrados naturalmente também em outros alimentos e bebidas da nossa dieta. O corpo absorve esses aminoácidos da mesma maneira, independente de qual for a fonte alimentar. A stévia não é metabolizada pelo organismo, mas temos bactérias no intestino que podem exercer essa função, quebrando-a em moléculas menores permitindo assim que estas sejam absorvidas para a corrente sanguínea, metabolizadas pelo fígado e completamente eliminadas pela urina. Pequena parte do ciclamato é absorvida, e é rapidamente excretada na urina. Outra parte é eliminada pelas fezes. Não há evidências científicas suficientes de que o metabolismo dessas substâncias seja nocivo ao organismo, sendo sua segurança aprovada pelos principais órgãos de segurança alimentar, incluindo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).
  • 17Qual a equivalência do adoçante em colheres de açúcar?
  • O poder dulçor varia de acordo com cada substância adoçante. Os produtos das linhas Finn Aspartame, Finn 100% Sucralose e Finn 100% Stévia foram desenvolvidos de maneira a possuir equivalência na sua capacidade de adoçar. Para a versão líquida, 5 gotas equivalem a 1 colher (chá) de açúcar (4g). Já para a versão em pó, 1 sachê equivale ao uso de 2 colheres (chá) de açúcar (8g). Para o Finn Family 100% Sucralose, 1 colher dosadora equivale a 2 colheres (chá) de açúcar (8g)

    Finn Sacarina possui apenas a versão líquida, sendo que 3 gotas têm a capacidade de adoçar o equivalente a 1 colher (chá) de açúcar (4g).
  • 18Qual adoçante tem o sabor mais similar ao açúcar?
  • A sucralose, por ser derivada da cana de açúcar, possui o sabor muito próximo ao do açúcar e residual quase inexistente. Porém, a preferência por uma substância varia de acordo com o paladar de cada indivíduo. Faça um teste com todas as substâncias e veja qual se adequa mais ao seu paladar.
  • 19Todos os adoçantes são de origem artificial?
  • Não. A sacarina e o aspartame são considerados adoçantes artificiais. A stévia é um adoçante natural, pois é extraída da planta Stevia rebaudiana e não sofre nenhuma modificação na estrutura. A sucralose é produzida a partir da cana de açúcar e, por isso, é considerada um adoçante de origem natural e tem um sabor mais próximo ao do açúcar.
  • 1O adoçante deve ser consumido apenas por quem tem diabetes?
  • Não, o adoçante pode ser consumido por todos, em todas as fases da vida. Em virtude da necessidade de controle de glicemia, é extremamente recomendado para quem tem diabetes.
    O adoçante é consumido por quem procura saúde e bem-estar e por pessoas que querem emagrecer e procuram uma dieta personalizada.
  • 2O uso do produto, principalmente com aspartame, pode causar câncer?
  • Não. Existem alguns mitos de que o uso contínuo de adoçantes pode causar algum mal. O aspartame é a substância edulcorante mais estudada no mundo e a mais utilizada em bebidas diet e light. Não existem estudos que comprovem esta relação.
  • 3Adoçantes não têm calorias, portanto o consumo é livre?
  • Adoçantes não têm calorias, mas assim como qualquer produto, seu consumo em excesso pode causar problemas à saúde. O consumo de adoçantes deve respeitar os limites de ingestão diária aceitável (IDA). Para encontrar os valores máximos para cada pessoa é preciso multiplicar a IDA de cada uma das substâncias pelo peso corporal. Vale ressaltar que é muito difícil ultrapassar as recomendações diárias.

    Os valores máximos diários para cada tipo de adoçante são:
    Aspartame: 40 mg x peso corporal
    Acesulfame K: 15 mg x peso corporal
    Ciclamato: 11 mg x peso corporal
    Sacarina: 5 mg x peso corporal
    Sucralose: 15 mg x peso corporal
    Stevia: 4 mg x peso corporal
  • 4Adoçantes engordam?
  • Não. Muito pelo contrário! São importantes aliados para a perda de peso, já que substituem o açúcar e reduzem o valor calórico da dieta.
    Nenhum adoçante afeta os níveis de glicose e insulina. Logo, não causam efeito rebote de fome e não aumentam a ingestão alimentar
  • 5Adoçantes causam retenção de líquido?
  • Não. Muitas pessoas acreditam que adoçantes à base de sacarina/ciclamato causam “inchaço”. Isso porque associam o sódio de sua composição à retenção de líquidos. No entanto, a quantidade de sódio desses produtos é praticamente desprezível e seu consumo não é capaz de gerar tal efeito.
  • 6Pessoas com fenilcetonúria podem consumir adoçantes?
  • A fenilcetonúria é uma doença genética identificada pelo teste do pezinho, realizado após 48h do nascimento da criança. Os portadores desta doença devem restringir alimentos que contenham fenilalanina, um tipo de aminoácido encontrado em alimentos ricos em proteínas, como as carnes, ovos, leites e leguminosas. Dentre todas as substâncias adoçantes, o aspartame é a única que contém fenilalanina e, portanto, não recomendado para pessoas com fenilcetonúria. Por outro lado, a sacarina, a sucralose e a stévia podem fazer parte da dieta de portadores de fenilcetonúria com segurança e FINN possui todas essas substâncias em sua linha.
  • 7Adoçantes são seguros para gestantes?
  • Sim, todas as substâncias adoçantes disponíveis para o consumidor são previamente testadas por estudos científicos em diferentes grupos populacionais, incluindo as gestantes. Todos eles seguem as orientações de um comitê de especialistas da Organização Mundial de Saúde. As substâncias não causam nenhum dano à saúde da mãe ou do bebê.
  • 8Hipertensos podem consumir adoçantes?
  • Pessoas com hipertensão arterial devem evitar alimentos com alto teor de sódio, um nutriente presente principalmente em produtos que contém SAL em sua composição. Em relação aos adoçantes, hipertensos podem consumir todas as substâncias da linha FINN, inclusive aquelas que contêm sódio: a sacarina e o ciclamato. Isso porque a quantidade deste nutriente presente nestas substâncias é muito baixa. Por exemplo, 3 gotas de FINN sacarina têm apenas 2 mg de sódio, o que representa 0,1% da quantidade que pode ser consumida por dia (2000mg). Assim, dentro de doses habituais de consumo, adoçantes à base de sacarina/ciclamato não agregam quantidades de sódio significativas na dieta.
  • 9Crianças podem consumir adoçantes?
  • Sim, crianças podem consumir todas as substâncias adoçantes. Para serem aprovadas para consumo pela população, as substâncias também passam por pesquisas científicas que incluem grupos de atenção como crianças, garantindo a segurança no seu uso em todas as fases da vida. Para encontrar os valores máximos de consumo diário de uma determinada substância é preciso multiplicar o valor da IDA (Ingestão Diária Aceitável) daquela substância pelo peso corporal. Por exemplo: A IDA do aspartame é de 40 mg/ Kg/ dia. Assim, uma criança de 30 kg pode ingerir até 1.200 mg da substancia aspartame por dia, o que equivale a 30 sachês de adoçante ou 2,25 L de refrigerante diet/zero (considerando que este seja adoçado somente com aspartame) todos os dias. De qualquer forma, as quantidades máximas de ingestão são bem maiores do que aquelas que consumimos habitualmente, mesmo se substituirmos 100% do açúcar nos alimentos por adoçantes.
  • 10Adoçantes podem fazer parte de uma alimentação saudável?
  • Segundo o Guia Alimentar, todos os grupos de alimentos devem compor a dieta. A alimentação saudável deve fornecer água, carboidratos, proteínas, lipídios, vitaminas, fibras e minerais, os quais são insubstituíveis e indispensáveis ao bom funcionamento do organismo. Ainda de acordo com este Guia, o consumo de açúcar simples não deve ultrapassar 10% da energia (calorias) total diária. Pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o perfil da população Brasileira indicou que mais da metade (61,3%) consome açúcar em excesso. Neste contexto, o adoçante é uma opção para substituir o açúcar, reduzindo seu consumo, sem abrir mão do sabor doce. Dessa forma, sim, os adoçantes podem fazer parte do contexto de uma alimentação saudável. Procure sempre a orientação de um profissional de saúde para uma avaliação individual sobre a sua alimentação.
  • 11Adoçantes causam dor de cabeça?
  • Não. Estudos científicos já comprovaram que os adoçantes não estão relacionados como causa de dores de cabeça e enxaqueca. É importante entender que dores de cabeça e enxaquecas são multifatoriais, podendo estar associadas a diversos fatores, que vão desde o stress e distúrbios do sono, até doenças físicas ou psíquicas. Procure sempre a orientação de um médico, em casos de dores intensas.
  • 12A Sucralose é produzida a partir da cana de açúcar, isso significa que ela tem calorias?
  • Não. Apesar de a Sucralose ser feita do açúcar, o organismo não a reconhece como tal, já que a substância não é metabolizada como fonte de energia. Visto que a maior parte ingerida não é absorvida, ele torna-se isenta de calorias; e a pequena quantidade da substância absorvida, é rapidamente eliminada na urina como Sucralose.
  • 13Pessoas intolerantes a lactose podem consumir adoçantes?
  • Adoçantes em pó contêm lactose, um tipo de açúcar presente no leite e que é utilizado geralmente como agente de corpo, mas isso não significa que não podem ser consumidas por pessoas intolerantes a esse carboidrato. Isso porque a quantidade de lactose em cada envelope é muito pequena (entre 0,75 a 0,78 g/envelope) e, também, porque existem diferentes graus de intolerância. É preciso testar antes de consumir. Caso tenha alguma reação, consuma a versão líquida, que tem a água como veículo, invés da lactose.
  • 14O aspartame pode ser consumido por gestantes e crianças?
  • Sim. O metabolismo do aspartame já foi estudado nestes grupos da população, não havendo evidências científicas que comprovem que crianças e gestantes metabolizem o aspartame diferentemente de um adulto normal. Os principais órgãos de segurança alimentar afirmam sua segurança, desde que consumido dentro da ingestão diária aceitável (IDA).
  • 15Aspartame causa Mal de Alzheimer?
  • Não. Os principais órgãos regulatórios de segurança alimentar atestam sua segurança e liberam o consumo do aspartame dentro dos limites diários estabelecidos em 40 mg/ kg de peso. A Alzheimer´s Association (organização voluntária internacional que estuda e apoia os portadores da doença) também apresenta um pronunciamento sobre o assunto em seu website (http://www.alz.org/alzheimers_disease_myths_about_alzheimers.asp) reafirmando que não há nenhuma evidência que associe o aspartame com o surgimento da doença.
  • 16Adoçantes naturais são melhores que os artificiais?
  • Não. Todas as substâncias adoçantes passam por avaliação toxicológica criteriosa antes de serem liberadas para consumo, independentemente de sua natureza (natural ou artificial), sendo igualmente seguros quando consumidos dentro dos valores de Ingestão Diária Aceitável (IDA). Assim, a escolha entre uma e outra opção pode ser baseada naquela que for mais agradável ao paladar da pessoa.
  • 17Todos os produtos diet contêm adoçante?
  • Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), os produtos diet são considerados alimentos para fins especiais e são indicados para dietas em que há restrição de algum nutriente podendo ser açúcar, gordura, sal, proteínas, dentre outros. Dessa forma, alimentos diet são isentos de algum ingrediente quando comparados à versão normal do mesmo, podendo ser, portanto, alimentos sem açúcar, sal ou outro nutriente. Produtos diet em que o açúcar é retirado de sua formulação podem ou não fazer a substituição deste ingrediente por adoçantes para não haver alteração de sabor quando comparados com a versão tradicional, mantendo assim sua característica. Fique de olho no rótulo e procure ler sempre a lista de ingredientes dos produtos para entender a sua composição.
  • 18Adoçantes favorecem a formação de gases?
  • Algumas substâncias utilizadas como adoçantes pela indústria de alimentos podem sim favorecer a formação de gases. São conhecidos como polióis e dentre elas podemos destacar o malitol, xilitol, sorbitol, maltitol, eritritol e lactitotol. Há pessoas que são mais sensíveis a essas substâncias podendo apresentar desconforto gastrointestinal caso haja um consumo elevado. Nenhum produto da linha de adoçantes Finn contém essas substâncias, e por isso não causam desconforto gástrico.
  • 19Consumir adoçante causa cárie?
  • Não, o consumo de adoçantes não favorece a formação de cáries. Isso porque as bactérias, que são responsáveis pela formação das cáries, não são capazes de metabolizar os adoçantes. Dessa forma elas não produzem ácidos, substâncias responsáveis pela corrosão dos dentes.